Friday, June 09, 2017

Pão macio de centeio com rillette de sardinha e mais lembranças da infância

English version

Soft rye bread with sardine rillette / Pão de centeio macio com rillette de sardinha

Muitos e muitos meses atrás, quando eu ainda estava com os planos do livro, li sobre rillettes e achei bem interessantes – conforme fui vendo receitas de rillette de carne de porco, pensei logo em minha mãe e em seu amor por este tipo de carne, coisa que sempre ligo ao sangue alemão (eu e meu trauma eterno de todas aquelas salsichas estranhas e joelhos de porco cheios de gordura dos quais eu não chegava nem perto nas férias da infância) :)

Conforme fui pensando no quanto ela amaria este tipo rústico de patê, me veio à mente também o seu patê de sardinha, comida barata das épocas de vacas magras – com a tão conhecida torta de liquidificador, era o fim dado a tantas latas de sardinha que vinham na cesta do meu pai, à época metalúrgico. Foram muitos sanduichinhos de patê de sardinha na lancheira – os meus sempre sem as cascas – junto com os bolos de cenoura. :)

Tudo isso acima misturado na minha cabeça me deu a ideia de fazer rillette com sardinhas em lata em vez da carne de porco e uma pesquisada pela Internet afora me mostrou variações do prato feitas com salmão, então eu soube que estava no caminho certo. Acabei fazendo este rillette de sardinha inúmeras vezes, já que eu e o marido ficamos loucos pelo patezinho.

Lá pela terceira vez, se não me falha a memória, achei que o rillette merecia ser acompanhado de um pãozinho caseiro e achei que o sabor forte do centeio combinaria bem com o patê – João concordou, porém me pediu um pão macio, para comermos no café da manhã do dia seguinte. Fiz este que lhes trago hoje, macio com a adição de leite à massa, mas ainda assim saboroso. O problema foi que no final das contas comemos TODO O PÃO com o rillette e não sobrou nada para o café da manhã. :)

Pão macio de centeio
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Pão:
150ml de leite integral morno
200ml de água morna
2 colheres (chá) de fermento biológico seco
1 colher (chá) de açúcar cristal
½ colher (sopa) de mel
2 xícaras (280g) de farinha de trigo
1 ¼ xícaras (175g) de farinha de centeio
1 ½ colheres (chá) de sal

Para pincelar o pão:
1 colher (sopa) de leite integral, temperatura ambiente

Na tigela da batedeira planetária, misture o leite, a água, o fermento biológico e o açúcar usando um garfo. Reserve por 5 minutos ou até espumar. Acrescente o mel, as farinhas e o sal e misture usando o batedor para massas pesadas (em formato de gancho no caso da Kitchen Aid) por cerca de 8 minutos ou até obter uma massa lisa e elástica – a massa pode ser sovada com as mãos: neste caso, 12-14 minutos são suficientes. Forme uma bola com a massa, transfira para uma tigela grande levemente untada com óleo ou azeite. Cubra com filme plástico e deixe crescer em um lugar morninho, livre de correntes de ar, por 1 ½ horas ou até dobrar de volume.

Unte levemente com azeite ou manteiga uma forma de bolo inglês com capacidade para 6 xícaras de massa.
Dê um soquinho na massa para eliminar o excesso de ar. Transfira a massa para uma superfície levemente polvilhada com farinha e abra-a com um rolo, formando um retângulo de aproximadamente 20x30cm. Começando com um dos lados mais longos, enrole a massa, formando um cilindro (como se estivesse fazendo cinnamon rolls). Aperte as emendas com as pontas dos dedos e transfira o cilindro de massa para a forma preparada, deixando a emenda virada para baixo. Cubra com um pano de prato limpo e seco e deixe crescer em um lugar morninho, livre de correntes de ar, por 40-45 minutos – enquanto isso, preaqueça o forno a 200°C.

Pincele o topo do pão com o leite e asse por cerca de 30 minutos ou até que cresça e doure bem. Para verificar se o pão está pronto dê batidinhas na superfície com os nós dos dedos: o som deve ser de algo oco. Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 5 minutos e então desenforme com cuidado sobre a gradinha. Deixe esfriar completamente.

Rend.: 6-8 porções

Rillette de sardinha
receita minha

- xícara medidora de 240ml

1 ½ colheres (sopa) de azeite de oliva extra virgem, uso dividido
½ colher (sopa) de manteiga sem sal
½ cebola picadinha
1 talo de salsão em fatias finas – use uma mandolina
1 dente de alho, amassado e picadinho
3 galhinhos de tomilho fresco – apenas as folhas
1 pitada de páprica defumada
sal e pimenta do reino moída na hora
350g de sardinhas em lata, escorridas e em lascas
2 colheres (sopa) de vinho branco seco
2 colheres (sopa) de creme azedo (sour cream)*
2 colheres (sopa) de salsinha fresca e picadinha – pique, depois meça

Em um panela media, junte ½ colher (sopa) do azeite e a manteiga. Leve ao fogo médio até a manteiga derreter. Acrescente a cebola e o salsão e refogue, mexendo às vezes, até que fiquem macios, 3-4 minutos. Junte o alho e refogue somente até perfumar, 1 minuto. Abaixo o fogo e junte o tomilho e a páprica, tempere com sal e pimenta do reino e cozinhe, tampado, por 2 minutos. Junte o vinho, aumente o fogo e cozinhe até o vinho evaporar. Retire do fogo, junte a sardinha e misture bem. Deixe esfriar completamente. Quando esfriar, incorpore o creme azedo, o azeite restante e a salsinha. Prove e acerte o sal, se necessário.

O rillette pode ser guardado em um recipiente hermético na geladeira de um dia para o outro, porém deve ser servido em temperatura ambiente.

* creme azedo (sour cream) caseiro: para preparar 1 xícara de creme azedo, misture 1 xícara (240ml) de creme de leite fresco com 2-3 colheres (chá) de suco de limão ou limão siciliano em uma tigela. Vá mexendo até que comece a engrossar. Cubra com filme plástico e deixe em temperatura ambiente por 1 hora ou até que engrosse um pouco mais (geralmente faço o meu na noite anterior e deixo sobre a pia – com exceção de noites extremamente quentes – coberto com filme plástico; na manhã seguinte o creme fica bem espesso – leve à geladeira para ficar mais espesso ainda)

Rend.: 2 porções

6 comments:

Susana Machado said...

bela sugestão!
Beijinhos,
http://sudelicia.blogspot.pt/

CRISTIANE LARA said...

Bom dia, Patricia, tudo legal ! Que pão lindo ! E você falando que seu pai era metalúrgico, das cestas básicas... Lembrei do meu pai que também foi metalúrgico lá nos 70 e 80... Tempos que nossas mães faziam mágicas com poucos ingredientes e todos nós ficávamos bem alimentados (não havia tantas porcarias... ;)e saudáveis, por assim dizer...
Adorei essa sardinha ! Vou fazê-la para comer com esse pão fofo. ;) Bjs

Rita said...

Foi meu pão de estreia em minha batedeira nova. Sucesso total, devo repetir logo para aproveitar a farinha que sobrou e evitar que ela fique velha. Não consegui abrir com o rolo porque a massa não chegou a ficar firme o suficiente. Mesmo assim moldei na forma e deixei descansar o tempo sugerido - assou direitinho. :-)

Patricia Scarpin said...

Cris, as mães faziam mágica, sim! Com pouco dinheiro e muita criatividade.
Beijos, querida!

Rita, querida, amei saber que vocês gostaram do pão! E há outras receitas bacanas com farinha de centeio aqui no blog para você se inspirar. Beijo grande!

Rita said...

Pat, vou comentar mais uma vez: algumas receitas de seu blog são incorporadas à rotina da minha casa e sei que estarão sempre na memória de meus filhos. Estão na lista o bolo formigueiro, as barrinhas de granola, um bolo de laranja divino, entre tantas outras. O mais novo membro da lista valiosa é esse pão. Agora mesmo está no forno a quarta edição - já entrou para o inventário de nossos amores culinários. (Estou com o coração na mão porque me atrapalhei e coloquei mais água do que devia - tomara que asse direito. :-))

Patricia Scarpin said...

Rita, João outro dia me pediu para fazer de novo este pão. Adorei saber que entrou para a sua lista - impossível pensar nas barrinhas de granola sem pensar em você e nos seus pequenos (que não são mais tão pequenos assim).
Obrigada pelo carinho sempre e pelos comentários doces. Beijo!

Related Posts with Thumbnails